Diário de uma Transformação

Dia 14 – 23 de outubro de 2015 – Um grand finale para um dia imprevisível

Tive uma boa noite de sono, apesar do dia anterior cansativo, tanto mental como fisicamente. Como eu dormi no alojamento junto com alguns bombeiros, não dava para acender a luz e ainda estava escuro quando acordei, por isso apenas me vesti e fiz o básico, antes de ir embora – café da manhã e alongamento desta vez eu faria a céu aberto. Saio caminhando pela bela Porto, vejo no relógio de uma igreja que são sete e meia, o dia está querendo amanhecer, sinto bons ventos e boas energias pela frente. Hoje é o primeiro dia da segunda fase do Caminho de Santiago, o início da parte final, o primeiro dia depois da importante decisão de não entrar mais na Internet até o fim da jornada, o primeiro dia após ter resolvido deixar tudo o que passou para trás de uma vez por todas. Estou animado, caminho levemente pelas ruas, saltam-se sorrisos no rosto, e tenho a ideia de tomar meu café da manhã e fazer os alongamentos na ponte que atravessei a pé no dia anterior. Continue lendo “Diário de uma Transformação”

Diário de uma Transformação

Dia 6 – 15 de outubro de 2015 – Montanhas, cartas de amor e um novo companheiro

Acordei ainda era de noite, como tem sido de praxe já há algum tempo. Fiz o meu desjejum, arrumei tudo e fui escrever no diário, e quando dei por mim já havia amanhecido. Era hora de fazer meus alongamentos e partir depois de mais uma noite tranquila no alojamento de um quartel de bombeiros voluntários – estou começando a simpatizar com esta entidade, havia até um cartaz lá embaixo com os dizeres “Quer ser um bombeiro voluntário?” e eu até brinquei comigo mesmo me perguntando se eu levava jeito para a coisa, rs. Continue lendo “Diário de uma Transformação”

Diário de uma Transformação

Dia 5 – 14 de outubro de 2015 – A sabedoria do caracol e perder-se para encontrar-se

O dia amanheceu lindo em Golegã, que os portugueses pronunciam Guligã – acho muito curioso como eles trocam o som das letras, mesmo vivendo aqui por quase um ano e meio. Antes de sair da cidade, parei na GNR (Guarda Nacional Republicana) para pegar mais carimbada em minha credencial do peregrino, pois preciso sempre de dois carimbos por dia. Na verdade, isso é um pouco indiferente para mim, o importante é percorrer o Caminho e me redescobrir nele, o resto é o resto, tanto que nem trouxe câmera fotográfica, telefone celular ou qualquer outro tipo de aparelho que pudesse desviar a minha atenção. Preciso de concentração total, é a minha vida que está em jogo, a minha reestruturação, o meu renascimento, a minha transformação. Continue lendo “Diário de uma Transformação”