Silêncio

“Dois padres jesuítas portugueses, no século 17, Sebastião Rodrigues e Francisco Garupe, viajam até o Japão em uma época onde o catolicismo foi banido, assim como quase todo o contato externo. A procura do mentor deles, os jesuítas enfrentam a violência e perseguição de um governo que deseja expurgar todas as influências externas.”

Esta é a sinopse de Silêncio, o longa-metragem que assisti ontem. Mas o texto acima jamais poderia definir ou resumir o magnífico filme que é Silêncio, mais uma obra-prima de Martin Scorsese. É como estava escrito numa matéria que li sobre o filme momentos antes de assisti-lo: Não é entretenimento, é cinema de primeira! Eu diria mais: é Arte de primeira, pois acima de tudo Silêncio cumpre com o papel fundamental de qualquer expressão artística, que é causar reflexão.

Reflexão realmente é a palavra de ordem no que se refere a este filme – é impossível não sair do cinema sem pensar ao menos um pouco em algumas questões que foram magistralmente colocadas e debatidas no longa.

Até onde vai o limite da imposição ou sugestão de uma ideia? Até onde vai o limite de combater esta mesma ideia? Até onde vai o limite da fé? Há limites para fé? Será que alguém pode matar a fé de outrem? E mais, no limite da dor e do sofrimento, qual é o maior ato de fé?

Por essas e outras que recomendo vivamente Silêncio, com a certeza que ele vai causar um tanto de “barulho” em seu cérebro ou em seu espírito.

Bom filme!

silencio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s